O marketing médico online oferece às práticas a vantagem única de posicionar sua prática para se destacar entre os concorrentes. Até alguns anos atrás, a maioria dos cirurgiões plásticos investia pesadamente no modelo de marketing “eu também”: coloque um anúncio em uma revista local e / ou copie o formato do anúncio de seus concorrentes. Desprovido de qualquer apelo à ação, bem como de informações importantes, era apenas uma questão de tempo até que estes anúncios começassem a ser eliminados.

O paciente de hoje é altamente exigente, competente, astuto em suas observações e extremamente exigente quando se trata de fazer uma escolha. A única maneira de as práticas estéticas acompanharem as mudanças nas preferências dos pacientes é concentrando os esforços de marketing e publicidade em seus pacientes, com o objetivo de proporcionar uma experiência aprimorada.

MARKETING MÉDICO ONLINE PARA PRÁTICAS ESTÉTICAS

O marketing online fornece práticas com todas as ferramentas, plataformas e caminhos necessários para navegar até o sucesso. Ao contrário da crença popular, a cirurgia estética não é mais uma “escolha de vida” apenas para os ricos e famosos. Um número crescente de pessoas de vários grupos demográficos e de todas as esferas da vida está optando pela cirurgia estética. São pessoas extremamente ativas na Internet e veteranos no meio social! Resumindo, as práticas de cirurgia estética que desejam alcançar essa base de público-alvo crescente precisam ser ativas e envolventes on-line.

O FUTURO DO MARKETING DE CIRURGIA PLÁSTICA ESTÁ ONLINE

Um número cada vez maior de americanos hoje usa a Internet para buscar informações quando têm problemas de saúde. Aqui está uma olhada em algumas tendências online interessantes.

  • 1 em cada 3 adultos americanos acessa a Internet para encontrar informações sobre uma condição médica específica
  • 57% dos pacientes procuram informações sobre cirurgia plástica online
  • O compartilhamento de fotos nas redes sociais levou a um aumento de 31% nos pedidos de cirurgia
  • 77% dos pacientes usam ativamente mecanismos de pesquisa como Google, Bing ou Yahoo para pesquisar problemas de saúde
  • 76% dos pacientes vão a hospitais em busca de informações relacionadas à saúde
  • 52% dos pacientes visitam sites de informações de saúde, como WebMD

Essas tendências servem para destacar um fato importante: os pacientes em potencial estão procurando por você online! Também reitera o fato de que a Internet é o primeiro lugar que eles têm mais probabilidade de visitar ao procurar informações sobre práticas e procedimentos de cirurgia estética.

O ENVOLVIMENTO DO PACIENTE É A CHAVE

A maneira mais eficaz de alcançar e envolver os pacientes em potencial é primeiro compreender o processo de tomada de decisão de um paciente em potencial para cirurgia estética. A Internet é hoje a fonte número um para todos os tipos e formas de informação; pode-se dizer que a Internet alimentou a sede de informações entre os usuários. Os consultórios de cirurgia plástica podem usar isso a seu favor, personalizando seus sites de prática, blogs, material de marketing e seu espaço social para abordar preocupações, problemas e consultas de pacientes em potencial. Esta é a melhor maneira de se conectar com seu público-alvo.

Melhores práticas para o envolvimento do paciente:

  • Esforce-se para oferecer aquele “toque pessoal” do início ao fim, sempre que se envolver com um paciente em potencial
  • Aborde seus desejos e preocupações e responda todas as suas perguntas honestamente
  • Certifique-se de que todas as suas comunicações sejam pessoais e oportunas
  • Posicione-se como uma autoridade por meio de alianças estratégicas
  • Forneça garantias apoiadas por provas em cada etapa do caminho
  • Os depoimentos de pacientes são considerados validações “livres de marketing”; use isso para mostrar aos pacientes em potencial o que você pode oferecer
  • Incentive referências; 70% da sua nova base de pacientes pode vir de referências

A REPUTAÇÃO ONLINE É IMPORTANTE PARA PACIENTES EM POTENCIAL

A reputação online de sua prática de cirurgia estética é crítica para o sucesso de sua prática. A primeira coisa que um paciente em potencial fará é examinar sua reputação online. Ela simplesmente precisa visitar o Google e digitar “seu nome + avaliações” para descobrir o que está sendo dito sobre sua prática online.

A reputação da marca é um elemento importante do marketing online. Se você pesquisar no Google sua prática de cirurgia estética, poderá descobrir o que está sendo dito sobre ela – o que é bom, o que é ruim e o que é feio! A melhor maneira de manter sua marca de prática é monitorando e aprimorando constantemente sua reputação online. Responda a todos os comentários; reconhecer e agradecer a um usuário por deixar uma avaliação positiva. Se você receber uma crítica negativa, não ignore. Responda com um ramo de oliveira, por assim dizer. O objetivo deve ser resolver as queixas amigavelmente e para a satisfação de ambas as partes envolvidas. Aqui estão os principais sites de resenhas a serem escolhidos se você deseja obter mais resenhas e otimizar sua listagem para que sua prática suba nas classificações nos resultados de pesquisa do Google:

  • Google
  • Yelp
  • Graus de saúde
  • Doctoroogle
  • Doctors Dig
  • Vitais
  • Eu Real

O marketing online é o futuro do marketing para práticas de cirurgia estética. Requer uma abordagem específica e personalizada; um que pode diferenciá-lo de seus concorrentes e levar sua prática para a linha de frente para que sua prática de cirurgia estética fique mais visível para os pacientes em potencial.

A mídia social e a tendência crescente da cirurgia estética

Uma nova pesquisa sugere que pode haver uma associação.

A mídia social oferece aos usuários a oportunidade de apresentar as melhores versões de si mesmos ao público. Infelizmente, isso tem levado muitos usuários a basear sua autoestima como dependente de sua aparência.

Há uma variedade de aplicativos, como FaceTune e Photoshop, que permitem aos usuários suavizar rugas ou alterar o tamanho e a forma de seus traços faciais para melhorar sua aparência. Os aplicativos mais comumente usados, como Snapchat e Instagram, têm até esses filtros integrados, tornando a manipulação da aparência digital prontamente disponível para seus usuários.

A popularidade da mídia social e da edição de fotos teve um impacto significativo no campo da cirurgia estética. Em 2017, por exemplo, uma pesquisa com cirurgiões plásticos faciais descobriu que 55% dos cirurgiões relataram ter visto pacientes que pediam para melhorar sua aparência em selfies.

Essa tendência levou à criação de um novo termo denominado “Dismorfia Snapchat”, que se refere aos fenômenos psicológicos de pacientes que trazem selfies filtradas a seus cirurgiões para ilustrar as mudanças cirúrgicas desejadas que desejam alcançar. Apesar dessas observações, o papel do uso da mídia social como um motivador para a cirurgia estética ainda não está totalmente claro.

Um estudo publicado este ano por Chen et al. foi o primeiro a olhar para esse relacionamento. Este foi um estudo de pesquisa com 252 participantes, sendo a maioria mulheres brancas com cerca de 25 anos de idade que não haviam feito nenhuma cirurgia estética anteriormente.

Eles descobriram que o aumento do engajamento nas mídias sociais está correlacionado com o aumento da consideração pela cirurgia estética, e mais ainda com o uso de certos aplicativos. Veja o Instagram ou o Snapchat, por exemplo. Essas plataformas giram em torno de imagens e menos do texto escrito. A natureza visual de tais aplicativos naturalmente leva os usuários a se concentrarem na aparência física.

A teoria sociocultural sugere que as pessoas aprendem os padrões de beleza dentro do contexto social e cultural. Em última análise, isso pode levar as pessoas a julgarem sua própria aparência com base nos padrões de beleza definidos pela sociedade em que vivem. Atualmente, os padrões socioculturais nos Estados Unidos e em grande parte do mundo estão indiscutivelmente estabelecidos online.

Um dos perigos mais óbvios de ter a mídia social como o principal veículo para o estabelecimento de padrões culturais está no potencial para a criação de normas irrealistas. Esta questão já foi amplamente discutida no que se refere ao uso de “aerografia” e outras técnicas que têm sido usadas na edição de materiais de marketing por muitos anos. Muitos expressaram preocupação com a relação entre capas de revistas retocadas e o aumento da incidência de transtornos alimentares, principalmente em mulheres jovens. Com o advento dos filtros para smartphones, o fenômeno do aerógrafo agora se espalhou para um grupo muito mais amplo.

É da natureza humana se engajar em comparação. Esta é uma adaptação evolucionária que ajudou a mover a civilização humana adiante ao longo de milhares de anos, induzindo conformidade e comunidade. Mas também pode ter um custo.

Estudos têm mostrado que comparar-se a outras pessoas que se acredita serem superiores geralmente tem impactos negativos sobre a autoestima . Isso é chamado de comparação social ascendente. Curiosamente, por outro lado, a comparação social descendente pode levar a uma melhoria na autoavaliação. E embora existam alguns dados que indicam que postar uma fotografia digitalmente aprimorada pode ter um efeito positivo imediato na autoavaliação, pesquisas nesta área sugerem que, a longo prazo, essas postagens provavelmente têm um efeito negativo na autoestima do poster, talvez por causa da comparação ascendente das experiências individuais entre ela e sua imagem digitalmente alterada.

No geral, a mídia social é um impulsionador significativo de intervenções cosméticas. Enquanto discutimos acima as complexidades desse relacionamento, também reconhecemos os benefícios sociais potenciais das mídias sociais, especificamente a disseminação de conhecimento, o potencial para troca de ideias e a construção de comunidades.

Esses aspectos positivos da mídia social podem ser usados ​​para a vantagem de médicos e pacientes no campo da cirurgia estética. Sites centrados no paciente, como o RealSelf, podem servir como uma excelente referência para pacientes que desejam obter informações de profissionais médicos sobre os tratamentos que estão considerando. Muitos médicos usam aplicativos de mídia social ou seus próprios sites para publicar materiais educacionais sobre indicações cirúrgicas, detalhes e recuperação. A disponibilidade dessas informações online pode levar a um maior alinhamento dos objetivos e expectativas do paciente e do médico . Como cirurgiões, podemos atestar que ter uma visão compartilhada é a base para os resultados ideais da cirurgia estética.

Influência das mídias sociais na decisão de se submeter a um procedimento cosmético

ARTIGO CIENTIFICO PUBLICADO

Fonte: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6756652/

Há um aumento dos procedimentos cosméticos na Arábia Saudita. A mídia social se tornou um meio popular de publicidade para fornecedores profissionais de cosméticos. Atualmente, não há estudos que determinem a relação entre a visualização de anúncios de cirurgia estética e a consideração de se submeter a procedimentos cosméticos em universitárias na Arábia Saudita.

Métodos:

Um estudo transversal foi realizado por meio de uma pesquisa online. Essa pesquisa determinou o uso de mídias sociais, contas relacionadas a cosméticos seguidas pelo entrevistado e atitudes em relação à publicidade de tratamentos cosméticos nas mídias sociais. Também determina a influência desses relatos sobre as universitárias para considerarem a possibilidade de se submeter a tratamentos cosméticos no futuro. A pesquisa foi distribuída em várias plataformas de mídia social e por e-mail.

Resultados:

Dos 816 questionários respondidos, 48,5% relataram ter sido influenciados pelas redes sociais para considerar a realização de procedimentos cosméticos. Os entrevistados (51,4%) seguem cirurgiões plásticos nas redes sociais ( P <0,001). O número mais comum relatado de horas de uso de mídia social por dia foi> 5 horas por dia (53,2%; P <0,026). A significância estatística foi considerada em relação ao relato ser influenciado pelas mídias sociais para considerar a realização de procedimentos cosméticos no futuro.

Conclusões:

Nossas descobertas revelaram que ver material relacionado à cirurgia estética nas redes sociais, passar mais horas em plataformas de mídia social e ter opiniões próprias negativas ao ver as redes sociais estão associados a uma maior probabilidade de considerar se submeter a procedimentos cosméticos no futuro. Estudos futuros utilizando um questionário validado que avalia a probabilidade de ser influenciado pelas redes sociais para se submeter a tratamentos cosméticos são encorajados.

INTRODUÇÃO

De acordo com um artigo publicado pelo Australian Journal of Plastic Surgery , cirurgia estética é definida como qualquer procedimento invasivo em que a intenção primária é alcançar o que o paciente percebe ser uma aparência mais desejável e onde o procedimento envolve alterações nas características corporais que apresentam uma aparência normal na apresentação ao médico. Os tratamentos cosméticos podem ser cirúrgicos, como aumento dos seios e rinoplastia, e não cirúrgicos, como toxina botulínica e preenchimentos. A mídia social está ganhando popularidade em todo o mundo como um método usado para anunciar tratamentos cosméticos. As mídias sociais estão se integrando a muitos aspectos da vida diária na Arábia Saudita, que tem uma das populações mais ativas nas plataformas de mídia social. É importante determinar o papel desses anúncios em influenciar a decisão do paciente de se submeter a um procedimento cosmético.

As plataformas de mídia social são usadas como métodos de comunicação, educação, entretenimento, promoção e aspectos do estilo de vida, como dieta, moda e, especificamente, beleza. A beleza costumava ser anunciada quase exclusivamente em programas de televisão e comerciais, mas agora tem uma grande presença em anúncios feitos por influenciadores de mídia social. Um artigo da Forbes mostra que uma resenha de uma figura confiável da mídia social é o equivalente a uma retransmissão boca a boca.  De modo geral, faltam estudos para determinar os fatores que influenciam a decisão do paciente de se submeter a um tratamento cosmético após a visualização dessas propagandas. Além disso, para o conhecimento dos autores, ainda não existe um questionário validado que possa provocar esse efeito.

Os aplicativos de mídia social mais populares entre os sauditas são: Twitter, Instagram, Snapchat e WhatsApp. De acordo com um estudo publicado em 2017, existem mais de 12 milhões de usuários ativos do Facebook e mais de 53% dos usuários ativos do Twitter na Arábia Saudita, tornando-o o país com maior penetração do Twitter em todo o mundo. Outras plataformas como Instagram e Path são extremamente populares na Arábia Saudita em comparação com outras partes do mundo. 

Estudos já sugeriram uma relação entre o tempo gasto nas redes sociais e a insatisfação corporal.  Essa relação às vezes pode ser atribuída à distorção do rosto nas fotos, especialmente observada em “selfies” devido à proximidade das câmeras.  Neste estudo, enfocamos as mídias sociais e seu efeito na promoção de procedimentos cosméticos. Os anúncios são feitos direta ou indiretamente por meio de autopromoção de clínicas e promoção dirigida por influenciadores de moda, respectivamente. O Twitter é um meio popular de publicidade de cirurgia estética. É considerada a melhor plataforma para divulgação de informações sobre cirurgia plástica e educação pública conforme a análise da frase “Cirurgia Plástica” e hashtag “#PlasticSurgery” mostrou (43,8% dos tweets continham informações e recursos profissionais).  Um estudo realizado com adultos que falam árabe concluiu que os fatores mais influentes na escolha de um médico assistente em relação às características pessoais eram sua reputação. 

Embora a comunidade saudita seja considerada conservadora, a cirurgia plástica está se tornando uma das indústrias de crescimento mais rápido na região, com ênfase em seu ramo cosmético, oferecendo soluções minimamente invasivas para problemas relacionados à aparência que os pacientes possam ter. Embora a cirurgia estética sempre tenha sido popular entre a população idosa, alguns estudos sugerem que sua popularidade está aumentando particularmente entre as jovens universitárias na Arábia Saudita.  , A revisão da literatura mostra evidências do efeito das mídias sociais em se submeter a um procedimento cosmético. Há um escopo limitado de estudos conduzidos com estudantes universitárias sauditas no que diz respeito a sua atitude em relação aos tratamentos cosméticos. Assim, até onde sabemos, não existem estudos conduzidos na Arábia Saudita que visem o efeito das mídias sociais na realização de procedimentos estéticos. Este estudo tem como objetivo avaliar a influência da visualização de anúncios em mídias sociais relacionados à cirurgia estética, acompanhando cirurgiões plásticos nas redes sociais, e outros fatores relacionados importantes na intenção de jovens sauditas de se submeterem a tratamentos estéticos no futuro.

MATERIAIS E METODOLOGIA

Foi realizado um estudo transversal observacional quantitativo. Usamos amostragem de conveniência. A população do estudo foi composta por estudantes do sexo feminino em universidades da cidade de Riyadh, na Arábia Saudita. Os critérios de inclusão dos participantes foram os seguintes: mulheres universitárias que estudam atualmente em Riade, Arábia Saudita, com idade entre 18 e 30 anos. A amostra foi composta por ambos. Os critérios de exclusão foram os seguintes: nacionalidade não saudita. Um tamanho de amostra de 375 foi calculado usando um IC de 95% e 0,05 graus de liberdade e foi aumentado para melhorar a precisão geral do estudo. Obteve-se um tamanho de amostra final de 816 estudantes do sexo feminino. O questionário foi construído usando o Survey Monkey e distribuído online entre a população-alvo via e-mail, Twitter e WhatsApp por um período de 4 meses.

Os respondentes foram plenamente informados sobre os objetivos e propósitos do estudo e participaram voluntariamente, podendo abandonar o estudo a qualquer momento. Um consentimento informado foi exigido no início da pesquisa eletrônica. O estudo foi aprovado pelo comitê do Conselho de Revisão Institucional da King Saud University em 14 de maio de 2018, com o número de projeto atribuído E-18–3223.

Após extensa revisão da literatura relacionada ao tema, um questionário com 36 questões foi desenvolvido em 2018 sob a supervisão de um cirurgião plástico consultor que atualmente atua na área de cirurgia estética na Arábia Saudita. O questionário demonstrou as características demográficas dos participantes, história anterior de tratamentos cosméticos entre os participantes, uso de mídia social e relatos específicos sendo acompanhados pelo participante, efeitos psicossociais relacionados à visualização de conteúdo específico de mídia social, as atitudes dos participantes em relação ao uso das mídias sociais para fins de cirurgia estética e a influência das mídias sociais na decisão de se submeter a um procedimento cosmético (SDC1, http://links.lww.com/PRSGO/B138 )

RESULTADOS

Seção I: Dados demográficos

Um total de 1.018 pesquisas foram iniciadas e 925 foram concluídas. Depois de excluir participantes não sauditas, o total foi de 816 respostas. A significância estatística foi considerada em relação à consideração de procedimentos cosméticos após a exibição de anúncios de cosméticos em mídias sociais, e um valor de P <0,05 foi considerado estatisticamente significativo.

A média de idade dos respondentes desta pesquisa foi de 21,15 ± 2,52. Eles eram principalmente de universidades públicas e de especialidades não relacionadas à saúde (n = 372, 45,5%), com mais da metade (n = 436, 53,4%) relatando uma renda familiar mensal de> 20.000 SAR (Arábia Saudita Riais) (5.000 USD) (Tabela(Tabela 11)

Tabela 1.

Influência da mídia social para submeter-se a procedimentos cosméticos

N (%)
1. Os anúncios de tratamento cosmético nas redes sociais influenciaram você a considerar a possibilidade de se submeter a um tratamento cosmético
A. sim 396 (48,5)
B. Não 421 (51,5)
2. Se os anúncios de tratamentos cosméticos nas redes sociais influenciaram você, que tipo de tratamento cosmético você está pensando em se submeter?
A. Procedimentos cirúrgicos (lipoaspiração, aumento dos seios, rinoplastia, etc) 74 (18,7)
B. Procedimentos não cirúrgicos (toxina botulínica, preenchimentos, etc) 280 (70,7)
C. Ambos 42 (10,6)

Seção II: Influência da mídia social na decisão de submeter-se a procedimentos cosméticos

O estudo mostrou que 48,5% (n = 396) dos entrevistados foram influenciados por propagandas para se submeter a tratamentos cosméticos. Destes, dois terços considerariam se submeter a procedimentos não cirúrgicos (toxina botulínica, preenchimentos, etc) (n = 280, 70,7%), e apenas 18,7% considerariam se submeter a procedimentos cirúrgicos devido à influência das redes sociais.

Seção III: História pessoal e familiar de tratamento cosmético

Aproximadamente um quarto dos que foram influenciados pelas propagandas de cosméticos nas redes sociais considerou se submeter a um procedimento cosmético no futuro (183, 22,4%), enquanto 14,6% (119) deles já receberam algum tipo de tratamento cosmético no passado. Os resultados também mostram que os entrevistados possuem mais amigos submetidos a procedimentos estéticos (60,2%) do que familiares (41,6%) (Fig.(Figura 11)

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração etc. O nome do objeto é gox-7-e2333-g001.jpg

História pessoal e familiar de tratamentos cosméticos dos participantes.

Todos os resultados citados foram estatisticamente significativos ( P <0,001).

Seção IV: Uso geral das mídias sociais

Os resultados mostram que os participantes que passam 5 horas ou mais por dia nas redes sociais (53,2%) estão entre a maior porcentagem de participantes que relataram ter sido influenciados por anúncios. O Snapchat teve o maior nível de influência entre as plataformas de mídia social. Apesar da influência das mídias sociais, 51,9% ainda preferem usar sites como o Google como fonte de informações sobre procedimentos estéticos. Os influenciadores da moda ultrapassaram os cirurgiões plásticos e as contas de dicas de beleza na porcentagem de seguidores (72,3%). Mais da metade dos espectadores (455, 55,7%) relataram que os influenciadores da moda que eles seguem anunciam procedimentos cosméticos (Tabela(Mesa 22 e as Figs. Figs.224)

Mesa 2.

Uso geral de mídias sociais

N (%)
Qual é o aplicativo de mídia social que você mais usa?
A. Snapchat 215 (26,3)
B. Twitter 206 (25,2)
C. Whatsapp 160 (19,6)
D. Instagram 116 (14,2)
E. YouTube 77 (9,4)
F. Outros 43 (5,3)
Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração etc. O nome do objeto é gox-7-e2333-g002.jpg

Número de horas diárias gastas em plataformas de mídia social pelos participantes.

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração etc. O nome do objeto é gox-7-e2333-g004.jpg

Acompanhar influenciadores da moda nas plataformas de mídia social.

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração etc. O nome do objeto é gox-7-e2333-g003.jpg

Acompanhar cirurgiões plásticos em plataformas de redes sociais.

Os entrevistados (57,6%) seguem contas de mídia social que fornecem dicas de beleza e 51,4% seguem contas de cirurgiões plásticos nas redes sociais. Entretenimento e educação foram as principais razões por trás desses relatos. O estudo mostra que uma estudante saudita que segue um cirurgião plástico nas redes sociais é mais atraída e influenciada por propagandas de cosméticos (32,1%), o que é o dobro das que não seguem cirurgiões (16,4%). A influência dos anúncios também é semelhante em famílias que seguem influenciadores da moda ou celebridades que anunciam tratamentos cosméticos.

Seção V: Atitudes em relação a anúncios de procedimentos cosméticos nas redes sociais

Embora tenha sido afirmado anteriormente que metade dos entrevistados segue cirurgiões plásticos, apenas 22,8% preferem consultar um cirurgião plástico famoso nas redes sociais e apenas 23,4% indagaram sobre os diplomas e qualificações de um cirurgião plástico (Fig. (Fig.5).5) Proporção igual de participantes achava que clínicas de cosméticos seriam mais atraentes se fossem ativas nas redes sociais e aqueles que não pensam assim (31,7% e 32,7%, respectivamente; P <0,212).

Um arquivo externo que contém uma imagem, ilustração etc. O nome do objeto é gox-7-e2333-g005.jpg

Atitude em relação a anúncios de procedimentos cosméticos.

Em relação à filmagem dos procedimentos, cerca de metade dos entrevistados (48,5%) concordou com a filmagem do procedimento cosmético do paciente apenas para fins educacionais, enquanto 21,4% concordaram em usar esses vídeos para fins publicitários.

A grande maioria dos entrevistados, no entanto, não concordou em filmar seus próprios procedimentos cosméticos e publicá-los nas redes sociais. Apenas 9,9% permitiriam se obtivessem benefícios como descontos, ofertas, etc.

A porcentagem de entrevistados que não foram influenciados por propagandas de cosméticos é maior entre aqueles que não permitem a filmagem, que é de 72%, e também é maior entre aqueles que são contra o uso de mídias sociais para anunciar procedimentos cosméticos (45,7%).

Em relação ao objetivo principal do uso das redes sociais na propaganda de cirurgias estéticas, 39,4% acreditam que seja para divulgar os especialistas e clínicas estéticas, seguido da demonstração dos resultados da cirurgia estética (32,8%; P <0,015).

Seção VI: Efeitos psicossociais da visualização de material relacionado a cosméticos nas mídias sociais

Os resultados demonstram como o senso de autoestima e atratividade dos entrevistados é afetado por personalidades da mídia social. Um quarto dos entrevistados comparou constantemente suas aparências com celebridades e influenciadores da mídia social, e 29% ( P <0,001) não se sentiu atraente ao fazê-lo, mas apenas 21,5% ( P <0,001) relataram que se sentiriam mais felizes se parecessem mais parecidos com essas celebridades. Apenas 18% ( P <0,001) consideraria seriamente se submeter a um procedimento cosmético para melhorar seu status de mídia social, e uma porcentagem particularmente baixa de 6,4% ( P <0,001) consideraria realmente submeter-se a um procedimento cosmético se este procedimento fosse especialmente popular entre as redes sociais influenciadores da mídia. Os dois terços restantes, 60% (P <0,001) dos entrevistados, não se sentiu menos atraente e não sentiu uma autoestima reduzida. Os participantes (42,8%; P <0,001) se sentiram desconfortáveis ​​postando suas fotos nas redes sociais sem usar filtros, igualando a porcentagem que se sentem confortáveis ​​em fazê-lo (42,6%; P <0,001). A influência dos anúncios de tratamentos cosméticos é de fato maior naqueles que se sentem desconfortáveis ​​em postar suas fotos sem filtros (26,1%; P <0,001) em comparação com aqueles que não compartilham esse sentimento (16,4%; P <0,001).

Em relação aos amigos e à comunidade dos entrevistados, 23,9% dos entrevistados comparavam rotineiramente suas fotos com as de outras pessoas e, como resultado, 20,3% se sentiram pressionados a mudar sua aparência para ter uma aparência melhor nas redes sociais. Correspondendo ao efeito dos influenciadores da mídia social, apenas 10,4% disseram que podem considerar buscar um tratamento cosmético se for popular entre seus pares.

Finalmente, a maioria dos participantes não acha que a sociedade descreve as mulheres como “pouco atraentes” se elas não recebem nenhum tratamento cosmético (751, 91,9%; P <0,001).

DISCUSSÃO

Este estudo teve como objetivo determinar o efeito das mídias sociais na disposição de universitárias em se submeter a tratamentos cosméticos, pois não existem estudos que medem a influência das mídias sociais na realização de procedimentos cosméticos.

As principais conclusões do estudo foram que quase metade dos entrevistados foram influenciados por anúncios em sua decisão de se submeter a tratamentos cosméticos. Além disso, dois terços dos entrevistados estavam possivelmente ou certamente interessados ​​em se submeter a procedimentos cosméticos no futuro, e mais da metade dos entrevistados segue cirurgiões plásticos e influenciadores de moda que falam sobre procedimentos cosméticos. Além disso, mais de um quarto compara constantemente suas aparências com as celebridades da mídia social e se sente pouco atraente ao fazê-lo.

Os resultados mostraram que as propagandas de tratamento de cosméticos nas redes sociais podem ter influenciado a consideração de se submeter a tratamentos cosméticos. A maioria das pessoas que consideram se submeter a tratamentos cosméticos devido ao efeito de propagandas preferem procedimentos não cirúrgicos.

O estudo também mostra que aqueles que foram influenciados por anúncios de cosméticos geralmente tinham familiares ou amigos que também passaram por tratamentos cosméticos.

Aproximadamente um terço dos entrevistados que relataram ter sido influenciados pelas propagandas seguem cirurgiões plásticos nas redes sociais. Isso pode ser explicado pela preferência pela explicação especializada das técnicas dos procedimentos e pela ilustração das vantagens e desvantagens dos procedimentos do ponto de vista médico.

Com relação ao efeito psicossocial da visualização relacionada à cosmética nas mídias sociais, a maior parte dos entrevistados está possivelmente ou certamente interessada em se submeter a procedimentos cosméticos no futuro, mas a maioria deles não os considera porque pessoas que conhecem pessoalmente ou celebridades da mídia social que eles seguem estão passando por eles. Talvez a razão subjacente para as mulheres pedirem consultas cosméticas seja a pressão exercida pelas redes sociais e por seus pares, e não o fato de que elas realmente querem mudar sua aparência, ou mudá-la de uma forma que as faça parecer únicas e diferentes do que outras. Isso coincide com os resultados de um estudo feito por Furnham e Levitas, que revelou que pessoas com baixa percepção de auto-atratividade foram as mais dispostas a se submeter a cirurgias estéticas, o que pode confirmar o efeito da baixa autoestima em suas decisões quanto ao tratamento cosmético. Um estudo conduzido na Universidade de Taif que avaliou o conhecimento, as atitudes e as práticas da cirurgia estética entre 220 estudantes do sexo feminino descobriu que, embora nenhuma delas tenha relatado ter se submetido a qualquer procedimento estético, 79,1% tinham ouvido falar sobre cirurgia estética na mídia de massa. Isso se relaciona com as descobertas de nosso estudo de que uma grande porcentagem da população saudita de estudantes universitárias segue contas relacionadas à cirurgia estética nas redes sociais. Outro estudo realizado na King Abdulaziz University com 600 universitárias sauditas revelou que 2,2% haviam feito cirurgia estética e que 23,3% dos entrevistados concordaram que a mídia de massa afetou sua decisão de se submeter a procedimentos cosméticos, também corroborando os achados de nosso estudo.  Nosso estudo também mostrou uma prevalência maior de procedimentos cosméticos nos entrevistados (17,5%) do que os dois estudos anteriores realizados na Arábia Saudita.  , 

Cerca de um terço dos entrevistados considerou que as clínicas de cirurgia estética que são ativas nas redes sociais pareciam mais atraentes para eles, o que pode ser devido à exibição clara e possivelmente glorificada dos serviços prestados. Quase um terço da população do estudo preferiu consultar cirurgiões plásticos famosos nas redes sociais; isso pode ser devido à excelente reputação do médico conforme anunciado por diferentes influenciadores ou por ouvir as recomendações do paciente. Além disso, o estudo mostrou que cerca de metade da população é contra a publicidade de cirurgias estéticas em plataformas de mídia social; isso pode ser devido à crença de que as clínicas priorizariam a monetização em vez da qualidade do atendimento ao paciente.

O presente estudo tem várias limitações. Em primeiro lugar, foi utilizada a técnica de amostragem por conveniência em vez da amostragem aleatória, justificada pela sua fácil disponibilidade e acessibilidade aos participantes. Além disso, a amostra foi retirada apenas de estudantes universitárias do sexo feminino em Riade, de 18 a 30 anos, e não incluiu outras faixas etárias nem outras regiões da Arábia Saudita. Para estudos futuros, recomendamos incluir grupos de diferentes idades, como adultos de meia-idade, e expandir o estudo para outras cidades importantes da Arábia Saudita. Por fim, quanto aos dados coletados, foram autorreferidos, o que pode introduzir viés de resposta devido aos efeitos da desejabilidade social ou da memória seletiva. No entanto, o questionário incorporou vários aspectos do assunto desejado, o que tornou menos provável que os resultados fossem marcadamente afetados por esses vieses.

CONCLUSÕES

Este estudo teve como objetivo determinar o efeito das redes sociais na realização de procedimentos cosméticos. Nossas descobertas revelaram que os participantes que relataram ter visto material relacionado à cirurgia estética nas redes sociais, passando mais horas nas plataformas das redes sociais e tendo auto-visões negativas ao assistir às redes sociais, relataram em mais casos que consideram se submeter a procedimentos cosméticos no futuro do que os participantes que responderam de forma diferente. Estudos futuros utilizando um questionário validado que avalia a probabilidade de ser influenciado pelas redes sociais para se submeter a tratamentos cosméticos são encorajados.

 

Influência de celebridades que afetam o interesse público em procedimentos de cirurgia plástica: análise do Google Trends

Resumo

Contexto: As decisões médicas tomadas por celebridades têm uma profunda influência nas decisões médicas tomadas pela população em geral. O Google Trends (GT) é um recurso online gratuito com virtualmente nenhuma barreira de uso que permite o rastreamento de volumes de pesquisa global como um proxy para determinar o interesse público. Neste estudo, utilizamos GT para caracterizar os efeitos significativos e mensuráveis ​​que o anúncio de maio de 2013 da mastectomia profilática influenciada por BRCA de Angelina Jolie, o anúncio de maio de 2015 do aumento do lábio de Kylie Jenner, o anúncio de abril de 2017 da cirurgia de afirmação de gênero de Caitlyn Jenner e a mídia de fevereiro de 2014 atenção dada ao boato de aumento das nádegas de Kim Kardashian nos volumes de procedimentos cirúrgicos correspondentes.

Métodos: bancos de dados GT de volumes de pesquisa foram coletados para termos relacionados a mastectomia profilática, aumento labial, cirurgia de afirmação de gênero e categorias de aumento de nádega de janeiro de 2004 a março de 2019 usando o recurso “consultas relacionadas”. Os volumes médios de pesquisa antes dos respectivos anúncios foram comparados com os do período que se inicia 6 meses depois. Além disso, a variação percentual do mês anterior aos respectivos anúncios de celebridades foi comparada com o mês do anúncio para cada termo de pesquisa.

Resultados: Para mastectomia, todos os termos demonstraram pico de interesse durante maio de 2013. Após o anúncio de Jolie, o interesse em “mastectomia” aumentou 1328%, “mastectomia profilática” aumentou 324%, “BRCA1” aumentou 316%, “BRCA2” aumentou 138% e “gene BRCA “aumentou 354%. O interesse de longo prazo foi maior após maio de 2013 do que antes para todos os termos, exceto “mastectomia profilática” (cada, p <0,001). Após o anúncio de Kylie Jenner, o interesse em “aumento dos lábios” aumentou 43%, “aumento dos lábios” aumentou 37%, “preenchimentos labiais” aumentou 3.233%, “implantes labiais” aumentou 8% e “injeções labiais” aumentou 13%. O interesse de longo prazo foi maior após maio de 2015 do que antes para todos os termos, exceto “aumento dos lábios” e “aumento dos lábios” (cada, p <0,001). Após o anúncio de Caitlyn Jenner, a “cirurgia de afirmação de gênero” aumentou 119%, a “redesignação de gênero” aumentou 186%, a “cirurgia de redesignação de gênero” aumentou 203% e a “cirurgia de transgênero” aumentou 35%. Os juros de longo prazo foram maiores depois de abril de 2017 do que antes para todos os termos, exceto “mudança de sexo” (cada, p <0,001). Seguindo os rumores das injeções de Kardashian, o interesse em “aumento de bunda” aumentou 34% e “implantes de bunda” aumentou 100%. Os juros de longo prazo foram maiores após fevereiro de 2014 do que antes para todos os prazos (cada, p <0,001). Os juros de longo prazo foram maiores depois de abril de 2017 do que antes para todos os termos, exceto “mudança de sexo” (cada, p <0,001). Seguindo os rumores das injeções de Kardashian, o interesse em “aumento de bunda” aumentou 34% e “implantes de bunda” aumentou 100%. Os juros de longo prazo foram maiores depois de fevereiro de 2014 do que antes para todos os prazos (cada, p <0,001). Os juros de longo prazo foram maiores depois de abril de 2017 do que antes para todos os termos, exceto “mudança de sexo” (cada, p <0,001). Seguindo os rumores das injeções de Kardashian, o interesse em “aumento de bunda” aumentou 34% e “implantes de bunda” aumentou 100%. Os juros de longo prazo foram maiores depois de fevereiro de 2014 do que antes para todos os prazos (cada, p <0,001).

Conclusões: as tendências dos dados GT se correlacionam com as mudanças na utilização da saúde no mundo real e no interesse público relacionado à saúde causada por eventos públicos de alto perfil, tornando-se uma ferramenta útil para a previsão em tempo real das tendências na saúde pública em resposta a uma variedade de fatores observáveis influências.

Nível de evidência v: Este periódico requer que os autores atribuam um nível de evidência a cada artigo. Para obter uma descrição completa dessas classificações de Medicina Baseada em Evidências, consulte o Índice ou as Instruções para Autores online www.springer.com/00266.

Palavras-chave: Celebrity; Tendências do Google; Mastectomia profilática; Interesse público; Cirurgia de redesignação sexual.

 

Notas de rodapé

Publicado online em 7 de agosto de 2019.

 

Divulgação: Os autores não têm interesse financeiro a declarar em relação ao conteúdo deste artigo.

 

Conteúdo digital suplementar está disponivel para esse artigo. As citações de URL clicáveis ​​aparecem no texto.

 

 

REFERÊNCIAS

1. Dean NR, Foley K, Ward P. Definindo cirurgia cosmética. Aust J Plast Surg . 2018.  ]
2. Swami V. A apreciação do corpo, a influência da mídia e o status do peso predizem a consideração da cirurgia estética entre estudantes do sexo feminino. Imagem Corporal . 2009; 6 : 315–317. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19656747 . [ PubMed ]  ]
3. Henderson-King D, Brooks KD. Materialismo, mensagens de aparência sociocultural e atitudes paternas predizem as atitudes das mulheres universitárias em relação à cirurgia estética. Psychol Mulheres Q . 2009; 33 : 133–142. Disponível em http://journals.sagepub.com/doi/10.1111/j.1471-6402.2008.01480.x .  ]
4. Furnham A, Levitas J. Fatores que motivam as pessoas a se submeterem à cirurgia estética. Pode J Plast Surg . 2012; 20 : e47 – e50. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24294026 . Artigo grátis PMC ] [ PubMed ]  ]
5. Nuñez A. As mídias sociais podem levá-lo a fazer uma cirurgia plástica? Shape Magazine; Disponível em https://www.shape.com/blogs/shape-your-life/could-social-media-drive-you-have-plastic-surgery .  ]
6. Sorice SC, Li AY, Gilstrap J, et al. As redes sociais e o paciente de cirurgia plástica. Plast Reconstr Surg . 2017; 140 : 1047–1056. Disponível em http://insights.ovid.com/crossref?an=00006534-201711000-00030 . [ PubMed ]  ]
7. Al-Saiari AA, Bakarman MA. Experiências e atitudes de universitárias sauditas em relação à cirurgia estética. J Taibah Univ Med Sci . 2015; 10 : 427–431. Disponível em https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1658361215001043 .  ]
8. Assad Hammadi H, AA El-Shereef E. Estudo do conhecimento, atitude e práticas da cirurgia plástica entre alunas do corpo docente da Universidade Taif, Arábia Saudita. Am J Public Heal Res . 2017; 5 : 63–69. Disponível em http://pubs.sciepub.com/ajphr/5/3/3/index.html .  ]
9. Al-Briek A., Al-Barrak A., Al-Johi K., et al. Fatores que influenciam os pacientes na escolha de seus médicos de tratamento no setor privado na Arábia Saudita. Am J Public Heal Res . 2018; 6 : 173–181. Disponível em http://pubs.sciepub.com/ajphr/6/4/1/index.html .  ]
10. Boehm KS, Rohrich RJ, Lalonde DH. Por que os vídeos são tão importantes na cirurgia plástica hoje. Plast Reconstr Surg . 2018; 141 : 1051–1054. Disponível em http://insights.ovid.com/crossref?an=00006534-201804000-00041 . [ PubMed ]  ]
11. Chandawarkar AA, Gould DJ, Grant Stevens W. Os 100 maiores influenciadores de mídia social em cirurgia plástica no Twitter: quem você deve seguir? Aesthet Surg J . 2018; 38 : 913–917. [ PubMed ]  ]
12. Chen AD, Ruan QZ, Bucknor A, et al. Resumo. Plast Reconstr Surg – Glob Open . 2017; 5 : 41–42. Disponível em http://insights.ovid.com/crossref?an=01720096-201709001-00063 .  ]
13. Henderson-King D, Henderson-King E. Aceitação de cirurgia estética: desenvolvimento e validação de escala. Imagem Corporal . 2005; 2 : 137–149. Disponível em http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S174014450500029X . [ PubMed ]  ]
14. Kalandar A, Al-Youha S, Al-Halabi B, et al. O que pensa o público? Examinando as percepções da cirurgia plástica por meio do Twitterverse. Plast Reconstr Surg . 2018; 142 : 265–274. Disponível em http://insights.ovid.com/crossref?an=00006534-201807000-00044 . [ PubMed ]  ]
15. Ramos TD, Brito MJ, Piccolo MS, et al. Escala de sintomas dismórficos corporais para pacientes que procuram cirurgia estética: estudo de validação transcultural. São Paulo Med J . 2016; 134 : 480–490. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-31802016000600480&lng=en&tlng=en . [ PubMed ]  ]
16. Ala B, Ala M, Fried O, et al. Distorção nasal em fotografias curtas: o efeito selfie. JAMA Facial Plast Surg . 2018; 20 : 333 Disponível em http://archfaci.jamanetwork.com/article.aspx?doi=10.1001/jamafacial.2018.0009 . Artigo grátis PMC ] [ PubMed ]  ]
17. Whitler KA. “Por que o marketing boca a boca é a mídia social mais importante.” 17 de julho de 2014. Disponível em Forbes.com .